Pirataria e diversão! Com vocês, Captain Cornelius.

O Folk Metal é um estilo, não muito conhecido no Brasil, que mescla o clássico Heavy Metal com alguns elementos de músicas populares de raiz. A cultura Celta é bem lembrada quando se trata desse gênero, onde instrumentos folclóricos como flauta, bandolim, banjo e acordeon são utilizados.

Aqui em Rio do Sul nasceu uma ideia, no final de 2013, entre dois amigos. Douglas Sieves (ex Balboas Punch) e Júlio Halt conversaram muito e sempre manifestaram a ideia de fazer uma banda divertir, sem esquecer do público, que investe seu tempo e dinheiro para ver algo inesquecível. Nasceu então a Captain Cornelius, apoiados no Folk Metal e Irish Punk, o nome da banda foi uma questão de sonoridade. A ideia do Captain, que remete aos piratas, é levar o caricato para os palcos. O Cornelius foi um presente do pai de Douglas, o Cornélio Sieves.

Captain Cornelius preza pelo Folk Metal com influências da cultura Celta.
“Somos a Captain Cornelius. Assim como uma cerveja gelada no verão, ou um uísque no inverno, ou mesmo como um murro no chato do bar, somos a diversão do seu dia!”

O ensaio da banda é pura diversão. O vinho e a cerveja dispõe um clima descontraído ao fim de semana. Em pouco mais de um ano e meio, a banda possuí cerca de 17 músicas prontas e querem em 2016 ter 3 horas de show. Fugindo do metal, a banda optou por um estilo clássico e até então oculto no Sul do País. O grupo está comprometido em ter uma sequência e crescer, por isso está investindo em equipamentos para tocar Acústico e também Elétrico.

A banda conta com 7 integrantes e o desejo é que todos façam vocal nas músicas. Experientes músicos como Douglas Sieves (banjo, bandolim e vocal), Diogo Marconatto (guita e violão. Ex Roni Rústico) e Fabrício Forechi (flautas, vocal e saxofone) se uniram com uma rapaziada mais nova na cena, criando uma sintonia entre os acordes. Completam a trupé Henrique Arruda (acordeon e vocal), Thomas Adam (batera) Jéssica Rodrigues (back vocal e violão) e Júlio Halt (baixo).

Fãs do faça você mesmo, a base do repertório são releituras de músicas irlandesas, de 200 anos atrás. Thomas Adam, batera do grupo, brinca que a única mensagem política do grupo é diminuir o imposto da cerveja e afirma que a sociedade está sendo enganada. As influências da banda são: Flogging Molly, Dropkick Murphys, The Mahones, Korpiklaani, Fiddler’s Green.

Confira as fotos do ensaio e alguns vídeos da banda aqui!

Estamos na estrada para beber, brigar, festar, pular, dançar e o que mais vier, junto com vocês!”

Agenda, fiquem ligados:

13/12/2015 – Butiquin Wolstein – Blumenau

15-17/01/2016 – Camping Paraíso – Lontras – Iceberg rock

13/02/2016 – Ibirama

Por Guilherme Antonio Karsten Lindner